Recomendo: Reserva Natural das Berlengas

No verão do ano passado, visitei com a minha família o Buddha Eden, a vila de Óbidos e a Reserva Natural das Berlengas. Este é o post que estava a faltar.

Não vos vou maçar com detalhes técnicos sobre a história e fauna e flora deste arquipélago, mas deixo-vos com alguns links, fotos e dicas práticas e úteis para poderem desfrutar ao máximo da vossa futura visita à ilha.

  • Como ir?

Para visitar a ilha maior, a Berlenga grande, devem começar bem cedo o vosso dia, o primeiro barco sai as 09:30h do porto de Peniche. Aconselho a irem uma hora antes porque há sempre fila. Quando lá chegarem existem várias empresas que fazem a travessia de Peniche para as Berlengas, ida e volta são 18 euros. Levem dinheiro, pois não aceitam cartão multibanco nos quiosques onde vendem os bilhetes. A viagem demora cerca de 30-40 minutos.

  • O que fazer? O que ver?

Primeiro de tudo: levar calçado confortável, chapéu, protector solar, roupa confortável, água e comida, não esquecer a máquina fotográfica! Esta ilha tem paisagens lindas e intactas, algo único no nosso país e no mundo.

A sua grande atracção é o forte de S. João Batista. Pode-se pernoitar no forte, apesar de as condições não serem as de um hotel (tem de levar roupa de cama, por exemplo), à noite deve ter uma vista inesquecível para o mar. Devem fazer marcação prévia na associação de amigos da berlenga . O forte não está num excelente estado de preservação, mas ao menos não está descaracterizado, o que já é muito bom nos tempos que correm.

DSC_0771

forte s. joão batista

DSC_0748

frente do forte

DSC_0704

entrada no forte

DSC_0702

forte na bruma

DSC_0753

ponte de acesso ao forte. quem tiver vertigens vai sentir um frio na barriga🙂

DSC_0705

DSC_0732

interior do forte

DSC_0706

interior do forte

172

interior do forte

186

interior do forte

DSC_0760

DSC_0758

O farol da Berlenga também está aberto ao público. Existe ainda a praia carreiro do mosteiro  (uma praia pequena mas muito agradável da qual infelizmente não tirei fotografia) e o bairro dos pescadores, único ponto da ilha que é povoado.

DSC_0796

Farol da Berlenga

DSC_0805

DSC_0794

Gaivota

DSC_0790

DSC_0792

DSC_0791

Gaivotas

DSC_0804

Não sei o nome desta praia, mas só se consegue aceder por barco… completamente exclusiva!

  • Onde ficar? Onde comer?

Como já referi anteriormente podem pernoitar no forte. Mas também existe o parque de campismo das Berlengas, devem também reservar com antecedência no posto de turismo da câmara municipal de Peniche (351) 262 789 571 / 262 780 100 e a opção mais cara, mas também mais cómoda (para quem não dispensa o conforto…) o Restaurante  Mar e Sol (351) 262 750 331 com quartos duplos com casa de banho e pequeno almoço.

DSC_0800

vista sobre o restaurante o bairro de pescadores e o cais de embarque. ainda se vê o carreiro que leva até a praia que falei anteriormente

219

parque de campismo das berlengas

DSC_0802

parque de campismo e ao fundo cais de embarque, bairro dos pescadores e restaurante

 

  • Recomendações?

O que fica mais barato, é levar o seu próprio farnel, não esquecer água. Ter em atenção para não deitar lixo para o chão. Devemos respeitar um local tão especial como são as Berlengas e pensar em minimizar o nosso impacto.

Uma viagem inesquecível!

DSC_0807

O adeus às Berlengas!

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s